2ª Etapa do Torneio SCB de Boccia

PhotoFunia-d241a1 (2)

Dia 09 de março teremos a 2ª etapa do torneio interno SCB de Boccia, a realizar na Nave 2 da UM, entre as 14.00 e as 20.00. Neste momento, Domingos Vieira encontra-se na primeira posição, seguido de Joaquim Soares e de Mário Peixoto. Os atletas partirão para esta segunda etapa com os seguintes pontos, obtidos pela sua participação na 1ª etapa do torneio:

1º Domingos Vieira: 8 pontos

2º Joaquim Soares: 7 pontos

3º Mário Peixoto: 6 pontos

4º Eunice Raimundo: 5 pontos

5º José Carlos Macedo: 4 pontos

6º Carlos Clemente: 3 pontos

7º Alexandrina Oliveira: 2 pontos

8º Joana Pereira: 1 ponto

REGULAMENTO ESPECÍFICO

1.  Regras

Aplicar-se-ão as regras oficiais da modalidade, com exceção de:

1.1.        Especificidades das classes funcionais;

1.2.        Todos os jogos serão cronometrados. Cada parcial será jogado em 10 minutos (5 para cada atleta), sendo que a bola alvo também contará para o tempo de jogo;

1.3.        Cotação diferenciada para cada jogador, com vista ao maior equilíbrio e competitividade possível, podendo esta (em provas futuras) ser alterada consoante os resultados obtidos nas provas federadas e internas. Será considerado vencedor do torneio, quem tiver maior número de pontos.

1.4.        Em caso de empate no final das 3 provas, entre os jogadores premiados, o critério de desempate será a diferença entre o número de pontos marcados e sofridos.

 2.   Formato da competição

2.1.        A prova será disputada por 8 Atletas que competirão entre si a duas voltas, realizando um total de 7 jogos, cada um.

2.2.        Os jogos realizar-se-ão em quatro campos com regras distintas.

2.3.        Nivelamento entre classes e diferentes desempenhos desportivos através da aplicação de um sistema de handicap. O sistema de handicap desportivo é um método utilizado para tentar criar oportunidades competitivas justas a atletas com diferentes desempenhos para participarem numa mesma prova.

2.4.        Sistema handicap Torneio Interno 2013

Tem em conta um conjunto de fatores, de forma a encontrar os pontos de vantagem por jogo dados aos jogadores com maiores dificuldades e o handicap de bolas entre jogadores com níveis diferentes de desempenho. Passamos a explicar:

– Coeficiente do Ranking 2012 de cada atleta, na sua classe, tendo em conta a sua classificação e número de praticantes no ranking.

– Coeficiente funcional, encontrado entre a divisão do Coeficiente do Ranking Nacional pela divisão de jogo.

– Fator Ranking Funcional (RF): Obtido pela soma dos 2 coeficientes anteriores.

– Classificação obtida na prova anterior (CPA).

– Handicap bruto é encontrado por: RF/2*(CPA*6)/10

– Em função deste handicap bruto, encontraremos os pontos de vantagem a atribuir ao jogador em cada jogo, bem como o handicap de bolas (HB) a atribuir ao seu adversário.

– Atletas com igual handicap de bolas, este anula-se no jogo em que se encontram.

– Atletas com handicaps diferentes subtraem a bola ao atleta de handicap inferior.

– Cada jogador terá um crachá onde estará escrito 0, 1 ou 2. Estes números correspondem ao seu handicap, sendo que representam o número de bolas que o jogador retirará ao seu adversário.

Exemplo:

Jogador A com handicap 0 VS jogador B com handicap 2, o jogador A terá que jogar com 4 bolas.

Utilizando o método de handicap para este torneio, teremos:

Handicap 0 (não “retira” nenhuma bola ao adversário):José Macedo; Eunice Raimundo; Domingos Vieira; Joaquim Soares; Mário Peixoto.

Handicap 1 (“retira” uma bola ao adversário): Nenhum atleta nestas condições.

Handicap 2 (“retira duas bolas ao adversário): Joana Pereira; Alexandrina Oliveira; Carlos Clemente.

Utilizando o método de pontos de vantagem por jogo, para este torneio, teremos:

5 pontos por jogo (35 pontos na prova): Joana Pereira; Alexandrina Oliveira.

4 pontos por jogo (28 pontos na prova): Carlos Clemente.

1 ponto por jogo (7 pontos na prova): Eunice Raimundo; Mário Peixoto; Joaquim Soares.

0 pontos: Domingos Vieira; José Macedo.

2.5.        Pontuação em cada jogo

  •  Nº de parciais vencidos (a multiplicar por 2)
  •  Diferença entre pontos marcados e sofridos
  • Pontos de vantagem por jogo
  • Pontuação final do jogo:

2*(Nº de parciais vencidos)

+ (Diferença Pontos marcados e sofridos)

+ (Pontos de vantagem por jogo)

2.6.        Em cada etapa da prova os atletas obtêm pontos para atingirem uma determinada classificação nessa prova.

2.7.        São atribuídos de 8 a 1 pontos do melhor ao pior classificado em cada prova.

2.8.        Na primeira prova os atletas ficam com os pontos obtidos. Na segunda prova, os pontos obtidos nesta são multiplicados por 2 e somados aos pontos obtidos na prova inicial. Na terceira prova, os pontos obtidos são multiplicados por 3 e somados aos pontos obtidos até então nas duas provas anteriores.

PROVA 1 = PONTOS

PROVA 2 = PONTOS PROVA 1 + 2* (PONTOS PROVA 2)

PROVA 3 = PONTOS PROVA 2 + 3* (PONTOS PROVA 3)

3. Campos de jogo

CAMPO 1 – CAMPO 4Z”

Os jogadores devem jogar necessariamente para 4 zonas distintas. No entanto, estas distâncias e corredores distintos devem deter coerência com as zonas típicas de jogo, ou necessárias a serem trabalhadas.

Objetivo: Desenvolver a precisão de lançamento e a capacidade de adaptação a diferentes locais típicos/críticos de colocação da bola alvo e desenvolvimento do parcial, durante o jogo.

CAMPO 2 – CAMPO BAD”

Os jogadores devem jogar necessariamente com bola alvo dura (fornecida pela organização).

Objetivo: Explorar a possibilidade de novo plano de jogo (principal ou secundário) com utilização de bola alvo dura.

CAMPO 3 – CAMPO X”

Os jogadores devem jogar somente para a cruz, ou seja os jogadores executariam 4 parciais de desempate.

Objetivo: Desenvolver a importância do treino dos parciais de desempate.

CAMPO 4 – CAMPO INFINITO”

Os jogadores devem jogar para o local que preferirem tendo sempre em conta que este campo tem a particularidade de cada jogador ter há sua disposição um número ilimitado de bolas (incluindo a branca) podendo optar pela bola ideal para cada momento do parcial sem nunca ultrapassar o limite de 6 bolas lançadas.

Objetivo: Ter a possibilidade de ver como as diferentes bolas reagem em diferentes contextos facilitando assim a escolha de um set de bolas ideais.

2ª Etapa do I Torneio Interno SCB – Secção de Desporto Adaptado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s